BLOG

Troca de Saberes

Cicloturismo: uma forma diferente de ver a vida

Por Diogo Cavion

“Viajar, um dos maiores prazeres do ser humano. Aquela vontade de partir e conhecer todos os lugares mais incríveis e maravilhosos que sonhamos… Já viajei muito, de diversas maneiras, de mochila, de moto, a pé pedindo carona e fiquei mais de ano viajando com um carro Overlander, todo preparado para expedições, mas cicloviajar é totalmente diferente de tudo que você pode imaginar”.

Olhar para sua bicicleta e saber que em cada cantinho pode ter um alforge (compartimento para levar as bagagens), cada um com sua função, uma para levar as roupas, outro seus mantimentos, mais um para as ferramentas e por aí vai.. Pronto, agora posso partir pedalando mundo afora.. Isso é surreal!

Ser cicloturista é ter a oportunidade de ver o mundo em tempo mais que real, é estar sentindo a estrada, o vento e a chuva batendo na cara, o frio com o calor e, principalmente, ver a vida passando em sua velocidade perfeita.

Podemos parar em qualquer lugar, possibilitando viajar a nosso tempo e a maneira.
A experiência magnífica com as pessoas, que para mim é o ponto chave das cicloviagens: a TROCA, o compartilhar. A sinergia que trocamos por estar tão expostos que tudo flui.
Sempre falo para todos que a bicicleta é um dos meios mais democráticos no mundo para se viajar. Ela está em praticamente todos os lares, indiferentemente de classe social, região e até mesmo país, todos pedalam, todos amamos uma magrela.”

Cicloturismo para todos! Para você também!

Os medos, ansiedade, inseguranças e incertezas fazem parte do processo, não só de viajar de bicicleta, mas de qualquer coisa que fazemos quando fora da zona de conforto, pois não sabemos o que acontece ali na próxima curva. Com o passar dos dias, vamos aprendendo, e tudo vai acontecendo tão naturalmente que nos habituamos, criando uma nova rotina.

Me lembro até hoje quando saí em meu primeiro dia de viagem buscando cruzar Uruguai, Argentina até a Cordilheira dos Andes, na divisa com o Chile. Recentemente assisti um vídeo que me filmaram partindo. Estou pedalando tão rápido e alucinado como se estivesse atrasado para algum compromisso. Muito interessante como estamos no modo automático e não percebemos que a viagem toda será nosso grande desafio e aprendizado. Não é sobre o ponto final que escolhemos, e sim todo o trajeto desde o início até chegar ao fim. O percurso que realmente é a viagem.
As paisagens lindas, as pessoas, os dias de sol, tudo maravilhoso! Mas ninguém fala do resto que nos espera. Um temporal na estrada, chuvas fortes, ventos contra, que quase te levam, furar um pneu, a comida acabar, enfim… Tudo isso junto com toda a outra parte que citei acima é o que nos faz crescer e valorizar o que nos cerca, agradecendo por tudo que temos, vendo que necessitamos de muito menos do que imaginamos.

Cicloturismo para todos! Para você também!

Os medos, ansiedade, inseguranças e incertezas fazem parte do processo, não só de viajar de bicicleta, mas de qualquer coisa que fazemos quando fora da zona de conforto, pois não sabemos o que acontece ali na próxima curva. Com o passar dos dias, vamos aprendendo, e tudo vai acontecendo tão naturalmente que nos habituamos, criando uma nova rotina.

Me lembro até hoje quando saí em meu primeiro dia de viagem buscando cruzar Uruguai, Argentina até a Cordilheira dos Andes, na divisa com o Chile. Recentemente assisti um vídeo que me filmaram partindo. Estou pedalando tão rápido e alucinado como se estivesse atrasado para algum compromisso. Muito interessante como estamos no modo automático e não percebemos que a viagem toda será nosso grande desafio e aprendizado. Não é sobre o ponto final que escolhemos, e sim todo o trajeto desde o início até chegar ao fim. O percurso que realmente é a viagem.
As paisagens lindas, as pessoas, os dias de sol, tudo maravilhoso! Mas ninguém fala do resto que nos espera. Um temporal na estrada, chuvas fortes, ventos contra, que quase te levam, furar um pneu, a comida acabar, enfim… Tudo isso junto com toda a outra parte que citei acima é o que nos faz crescer e valorizar o que nos cerca, agradecendo por tudo que temos, vendo que necessitamos de muito menos do que imaginamos.

A bicicleta certa: a sua! A melhor hora de começar: agora!

Uma das perguntas que sempre escuto é sobre a bicicleta e os equipamentos. Para ter ideia, com tanta vontade que eu tinha de sair e ver tantos vídeos no Youtube e fotos no Instagram de outros cicloviajantes pelo mundo, disse para mim mesmo: “vai ser com o que tenho, minha barra forte mesmo que vou fazer uma trip, senão nunca vou partir, hehe” Comprei uma cestinha preta de plástico para acoplar ao guidão e com uma sacola preta com meus equipamentos de camping que eu já tinha no bagageiro traseiro dela e parti.
Saí aqui do Rosa sentido Garopaba pela SC 434, passando pelo Siriú, Gamboa, subindo a serrinha das lagoas Três Corações e pegando a BR-101 sentido Guarda do Embaú, onde acampei na praia e depois retornei.

Ali pude ver e sentir o que realmente é essa tal liberdade cicloviajeira que eu tanto havia escutado em apenas três dias.
Uma das coisas mais legais pelo caminho são as pessoas que eu cruzava e sempre tinham curiosidade de saber tudo, de onde eu vinha, para onde estava indo, por que de bicicleta. “Não é lento demais?”, perguntavam. “Sim , lento demais, mas assim posso compreender e sentir tudo na velocidade que meu corpo e mente precisam”, respondia.
Aos poucos, fui me equipando e vendo as necessidades que tinha, adaptando na bicicleta, tornando mais fácil e confortável em alguns aspectos. Desde alforges (bolsas laterais) impermeáveis, troca do selim e, por fim, acabei trocando a bike com um parceiro que me apoia sempre em meus projetos de trip. Da barra forte para uma Trek FX.
Benefícios da cicloviagem: baixo custo

Um dos pontos chave de cicloviajar é o baixo custo, aliás baixíssimo custo!

Em minhas viagens, não fico em pousadas nem hotéis, utilizo plataformas gratuitas por redes sociais que recebem viajantes. Essa é outra grande vantagem da trip, estar junto a essas famílias conhecendo seus costumes, comida e o carinho de ser recebido após um longo dia de pedalada com um bom banho e um lugar seguro para dormir.
Impossível não se emocionar com tamanha interação entre as partes. Mesmo que você não viaje, pode receber alguém e ter essa incrível experiência em sua casa. Também explorei o wild camping, que são acampamentos selvagens, ou seja, em meio à natureza sem infraestrutura alguma. Só você e a mãe natureza.

Cicloturismo: como começar?

Você pode começar fazendo pequenas viagens, sozinho, entre amigos ou em família. Sair da clássica zona de conforto. Vivemos em um país abençoado com uma das maiores biodiversidades do mundo, temos muito a explorar! Mas para isso acontecer, temos que dar um passo extra e estar abertos às mudanças. Independentemente de viajar de bicicleta, mochilão, moto ou algum outro meio, simplesmente se planeje e vá! Faça acontecer seus sonhos, com certeza você voltará muito melhor, uma outra pessoa. Viajar nos transforma, nos abre a mente, corpo e espírito. Nos faz mudar inclusive nossos valores, os quais geralmente na maioria dos casos já estão inseridos e programados pelo meio em que vivemos.”

Queridos grandes amigos, quem sabe nos cruzamos pela estrada e com certeza teremos muitas boas histórias para contar…

Diogo Cavion é aventureiro, cicloviajante e tem sua “base” em Ibiraquera. De tanto ouvir das pessoas frases como: “Vem de onde? Como chegou até aqui de bike? Não acredito! Meu Deus, deve ser uma experiência fantástica. Como eu gostaria de fazer, mas não tenho tempo e muito menos dinheiro..” resolveu compartilhar seus conhecimentos e garante que qualquer pessoa pode sair por aí cicloviajando. Será?

Suporte Saberes
Enviar