EnglishPortugueseSpanish

Greenwashing: falta de ética empresarial pode agravar aquecimento global

brian-yurasits-YFiHaY2DVyE-unsplash
EnglishPortugueseSpanish

Greenwashing é um termo em inglês usado para definir a prática de se manter um discurso ecológico de fachada ao mesmo tempo que segue promovendo ações poluentes e não-sustentáveis. Isso ainda acontece em muitas instituições, empresas públicas e privadas ao redor do mundo, que dizem uma coisa, mas fazem outra completamente diferente.

Às vesperas da conferência climática COP27, que acontecerá esse mês no Egito, o secretário geral da Organização das Nações Unidas (ONU), Antonio Guterres, faz um apelo: “Não podemos mais permitir o greenwashing (…) Os compromissos de neutralidade do carbono não valem nada sem planos, políticas e ações que os apoiem”.

De acordo com o site G1, o pedido feito por Guterres, em vídeo publicado no último dia 27, é especialmente direcionado aos governos do Grupo das vinte economias avançadas (G20), do qual o Brasil faz parte, e também a corporações privadas e instituições financeiras. Segundo projeções da ONU, as diferenças entre promessas e práticas relativas a emissões de carbono poderiam levar o mundo a um aquecimento de 2,8°C nos próximos anos.

Ainda não á um marco internacional para avaliação e supervisão dos compromissos em relação à redução de danos quanto a poluentes, portanto ainda é fácil para muitas empresas fazer greenwashing. Para o secretário geral da ONU, é preciso investir “maciçamente” em energias renováveis,e também a criação de um “pacto histórico entre as economias desenvolvidas e emergentes do G20” para impulsionar a transição energética.

Imagem: Brian Yurasits via Unsplash

Compartilhe com Amor:

contatos

WHATSAPP

(48) 991 100 690

Grupo News

Link para Grupo

E-MAIL

contato@saberesdapraia.com

Suporte Saberes
Enviar