EnglishPortugueseSpanish

Insatisfação da comunidade na 2ª Audiência Pública para Revisão do Plano Diretor de Garopaba

Audiena 2 Plano diretor garopaba
EnglishPortugueseSpanish

A noite da última quarta-feira (24), foi marcada por diversas manifestações de insatisfação em relação ao processo de Revisão do Plano Diretor de Garopaba

A 2ª Audiência Pública para Revisão do Plano Diretor de Garopaba, ocorrida na última quarta-feira (24), no bairro Ambrósio, foi o momento de apresentar à comunidade o levantamento de dados realizado nas oficinas participativas dos bairros. A ação é realizada pelo Governo de Garopaba, através da equipe da Fundação Unisul, Núcleo de Coordenação Compartilhada e da Equipe Técnica Municipal.

No encontro, a arquiteta e urbanista Michelle Souza Benedet, representante da equipe da Fundação Unisul, apresentou a avaliação entre o diagnóstico técnico e o diagnóstico comunitário, a partir dos trabalhos realizados nas últimas semanas.  Porem, as mais de 200 pessoas presentes no evento, em grande maioria, não ficaram satisfeitas com a metodologia de trabalho e, principalmente, com alguns pontos tratados na exposição do Unisul.

Em diversos momentos, a apresentação foi interrompida por manifestação dos presentes, que, ao final, usaram o espaço de fala de aproximadamente dois minutos por pessoa, para expressar as inconformidades observadas.

“A Comunidade não se sente ouvida”

Entre as falas da comunidade, a defesa do não aumento do número de pavimentos permitidos na cidade, a cobrança pelo Estudo Socioambiental de Garopaba, o Plano de Saneamento Básico, a construção de um Hospital para a cidade, entre outras questões ambientais e de mobilidade urbana.

“É uma preocupação nossa. Foi colocado nas oficinas que existem pessoas que são a favor da verticalização e pessoas que são contra a verticalização. Isto é fato. Agora houve uma afirmação pelo grupo que está à frente deste processo (Unisul) de que a não verticalização seria um padrão insustentável de cidade. Então já há essa afirmação junto com as duas opiniões contrárias. Essa afirmação vindo neste momento já nos traz uma grande preocupação, porque já parece que há um viés.”
Elisa, do Campo D’una.

“Eu sou aquele que vem alertar que casa que onde entra o sol não entra o médico. A verticalização rouba o sol!”

“As comunidades não são representadas nestes núcleos. Muitos não conhecem a realidade da Ressacada, Comunidade que aqui estou representando. Cada comunidade deveria fazer parte, para a gente de fato estar inteirado do que está acontecendo para o nosso futuro. As questões do zoneamento, uso e ocupação do solo, onde há essa possibilidade de mudança e nós que somos os principais interessados devemos estar integrados para ter conhecimento disto e assim pode fazer valer aquilo é o nosso dever: lutar pelos nossos direitos! ” Mariana, da Comunidade da Ressacada

“Essa comoção que está acontecendo aqui é porque está todo mundo se sentindo ameaçado. Estamos com medo de que seja passado por cima da nossa palavra, da nossa opinião para tomarem decisões aqui dentro. Então precisa ficar muito claro da parte de vocês, exatamente onde que a gente vai estar opinando e que as nossas opiniões vão estar sendo consideradas; Para onde vai este esgoto e para onde vai esse crescimento desenfreado? Será que a gente precisa de mais drenagens ou de menos aterros?” Katerine, da Encantada

“Eu estou muito perplexa com esse processo todo do Plano Diretor porque eu não imagino como se possa fazer um diagnóstico sem o Estudo de Ambiental Prévio; Onde está o Estudo Socioambiental? Como se pode planejar um espaço sem um levantamento de fauna, sem um levantamento de flora, sem se saber da relevância, da importância, da fragilidade do território? Sem qualidade ambiental, não existe qualidade de vida. Não adianta pensar em urbanização, em verticalização, em crescimento urbano, se a gente não tem a noção do que está se atingindo.” Renata Fortes

Segundo o coordenador do Projeto pela Unisul, Sr. Rubens, o Diagnóstico Ambiental prévio está sendo desenvolvido em loco, com atraso, e será apresentado no dia 15 de setembro ao Prefeito.

Segundo a Agenda Oficial para a Revisão do Plano Diretor, o próximo encontro acontece em 21 de setembro.

Confira a Audiência Pública na Integra no link abaixo!

Saiba mais sobre as Reuniões de Revisão do Plano Diretor de Garopaba

Por Glaucia Rosa Damazio
Jornalista
Redação Saberes EcoLab

Compartilhe com Amor:

contatos

WHATSAPP

(48) 991 100 690

Grupo News

Link para Grupo

E-MAIL

contato@saberesdapraia.com

Suporte Saberes
Enviar