BLOG

Troca de Saberes

O comprometimento com questões ambientais já é uma realidade dentro das empresas

 

O apelo social aliado à iniciativa de gestores faz com que medidas como redução e reciclagem de resíduos, uso consciente de recursos naturais, redução no consumo de energia e da emissão de gases seja uma realidade em muitas empresas.

 

Com o passar do tempo, as pessoas adquiriram uma habilidade maior em compreender o meio ambiente em que vivem, as ações realizadas em relação a ele, os impactos causados a curto, médio e longo prazos. Abriu-se, assim, espaço para debates, projetos e muita luta a respeito do tema; cenário que vem se refletindo nos hábitos dos consumidores.

 

Brasileiros preferem empresas sustentáveis

 

Em 2019, uma pesquisa realizada nos Estados Unidos e publicada pela Federação das Indústrias do Estado do Paraná (Fiep), apontou que 87% da população brasileira prefere comprar produtos e serviços de empresas sustentáveis e 70% dos entrevistados disse que não se importa em pagar um pouco mais por isso.

 

Os gestores perceberam que agir de forma social e ambientalmente responsável é mais do que apenas um dever legal: afeta positivamente os lucros e o sucesso dos negócios em longo prazo. Com isso, muitas empresas têm se posicionado de forma ativa na preservação dos recursos ambientais, companhias têm participado ativamente da preservação dos recursos naturais e mais: muitas promovem ações e incentivam seus clientes e fornecedores a fazerem o mesmo. 

 

Por onde começar

 

Até bem pouco tempo, todo sistema produtivo – da indústria até o consumidor final – utilizava recursos e descartava materiais sem critério algum. Essa situação deixou de ser compatível com o nível de consciência que as pessoas adquiriram e com a realidade do nosso planeta, que já está atingindo o limite físico de exploração de recursos.

 

Portanto, é inevitável que empresas que não optarem pelo caminho da sustentabilidade, ficarão para trás em um mercado cada vez mais concorrido e, ao contrário do que parece, responsabilidade ambiental não é só assunto para empresa grande. Instituir ações de sustentabilidade em empresas novas ou pequenas é mais fácil do que se pensa. 

 

Seja uma empresa sustentável

 

Algumas sugestões de medidas que podem ser incorporadas ao processo de qualquer empresa:

  • Implementar um sistema de gestão ambiental na empresa.

  • Tratar e reutilizar a água dentro do processo produtivo.

  • Desenvolver produtos que produzam o mínimo possível de impacto ambiental.Criar sistema de reciclagem de resíduos sólidos dentro da empresa.

  • Treinar e informar os funcionários sobre a importância da sustentabilidade.

  • Dar preferência para a compra de matéria-prima de empresas que também sigam os princípios da responsabilidade ambiental.

  • Optar, sempre que possível, para o uso de fontes de energia limpas e renováveis no processo produtivo.

  • Nunca adotar ações que possam provocar danos ao meio ambiente como, por exemplo, poluição de rios e desmatamento.

  • Priorizar por embalagens descartáveis.

 

Práticas incríveis de grandes marcas

 

Starbucks: transforma toda plástico reciclável em móvel para as suas lojas e tem uma linha de garrafas feita de plásticos retirados do oceano;

Colorado: a marca de cerveja utiliza o bagaço do malte na produção de armação de óculos em parceria com a marca de acessórios Leaf;

Adidas: pretende, até 2024, utilizar plástico 100% reciclado em todos os seus produtos.

C&A: já possui uma linha de camisetas baseada na economia circular. Ao final da vida útil, o produto sofre o processo de compostagem e vira adubo.

A situação no Brasil em números

A realidade parece ser dura com a política ambiental no Brasil. Como consequência da falta de seriedade que o governo federal encara questões como desmatamento, queimadas e agrotóxicos, a imagem do país está completamente afetada no cenário internacional. 

 

A boa notícia é que existe muita gente com vontade, interesse e a fim de levantar as mangas e trabalhar por essa causa e, fazendo a linha “trabalho de formiguinha” a fim de virar o jogo no que diz respeito à sustentabilidade, no entanto, ainda temos um longo caminho pela frente.

 

Energia renovável: O uso de fontes renováveis no Brasil é três vezes maior que o mundial, representando 46,1% de participação na Matriz Energética do país. O destaque fica para o sistema de energia solar que cresceu 92% em 2019. Os indicadores fazem parte da Resenha Energética Brasileira de 2020, tendo como fonte de dados o Balanço Energético Nacional do ano base 2019 (edição 2020), concluído pela Empresa de Pesquisa Energética (EPE), com a cooperação do Ministério de Minas e Energia e as Empresas e os Agentes do Setor Energético.

 

Produção orgânica: o Brasil situava-se em 12º lugar entre os 20 países com as maiores áreas de produção orgânica em 2017. É o maior produtor de arroz orgânico da América Latina, com mais de 27 mil toneladas anuais, lidera a produção mundial de açúcar orgânico e é o país com mais colmeias (quase 900 mil). Com base em estudo divulgado pelo Ipea – Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada.


Economia circular: Segundo a Confederação Nacional das Indústrias76,5% das indústrias brasileiras já desenvolvem alguma iniciativa de economia circular. Um belo exemplo é a segunda maior indústria de alimentos do mundo: a JBS que, só no ano de 2019, conseguiu reaproveitar 1 milhão de toneladas de resíduos gerados durante os processos de produção.

 

Desmatamento: o desmatamento na Amazônia cresceu cerca de 9,5% no período de Agosto de 2019 a Julho de 2020 comparado ao mesmo período do ano anterior. O total de área queimada chegou a 11 mil quilômetros quadrados – o maior número da última década. Os dados são da Prodes (Projeto de Monitoramento do Desmatamento na Amazônia Legal por Satélite) do INPE (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais).

 

Agrotóxicos: Foram liberados 493 pesticidas no ano de 2020, 4% mais do que o de 2019. No Brasil, são usados cerca de mil toneladas de agrotóxicos por ano. Segundo dados do Ministério da Agricultura, o país é o maior consumidor de agrotóxicos do mundo em números absolutos, mas não em relação à área plantada e nem à produção, ficando atrás de Japão, União Europeia e EUA.

 

Reciclagem: Segundo o Panorama dos Resíduos Sólidos no Brasil 2020 da Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (Abrelpe), o Brasil produziu 79,6 milhões de toneladas de lixo, em 2019. Pode ser pior? Pode! A sujeira descartada inadequadamente no país cresceu 16% na última década e atingiu a marca de 29,4 milhões de toneladas em 2019. A Alemanha é o país que mais recicla no mundo, cerca de 60% dos resíduos sólidos. Todo dia é um 7×1 diferente. 

 

Todas as pessoas estão sujeitas aos efeitos da falta de responsabilidade ambiental. O desequilíbrio do planeta e a escassez de recursos é algo que vai afetar inclusive aqueles que pensam no assunto como algo intangível. O que o mundo precisa é de uma virada de chave baseada em atitudes conscientes em todas as esferas da sociedade, começando por aqueles que fazem a roda do consumo girar: empresas e indústrias.

Por Nabile Oriqueis

Suporte Saberes
Enviar