EnglishPortugueseSpanish

Espécies exóticas invasoras: problemas e soluções

8_Meio Ambiente_Atelier do Agave
EnglishPortugueseSpanish

A segunda maior causa de destruição da biodiversidade do planeta são as Espécies exóticas invasoras

Elas são bonitas, fazem sombra e servem de poleiro para os pássaros. Mas os benefícios de árvores exóticas como a casuarina (Casuarina equisetifolia) e o pinheiro (Pinus elliottii, Pinus taeda e Pinus spp.) encerram aí.

Espécies exóticas invasoras (E.E.I.) são a segunda maior causa de destruição da biodiversidade do planeta, conforme a Convenção sobre Diversidade Biológica (CDB). A Plataforma Intergovernamental sobre Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos (IPBES) alerta sobre a aceleração da perda da biodiversidade e do aumento de espécies em extinção que entraram para Lista Vermelha da (RED List) da IUCN. Uma das causas desta aceleração e extinção é a invasão de espécies exóticas.

As casuarinas também se tornam um problema ambiental sem o devido controle e manejo

“O controle destas espécies também faz parte de um dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS) e poderá impactar positivamente em todos os 17 objetivos se a erradicação e controle forem feitos de forma sustentável quanto ao aproveitamento e distribuição destes recursos e resíduos, conforme sugerido no Plano de Contingência Nacional sobre E.E.I. do MMA/CONABIO e no Artigo 10 da CDB”,

explica a Relações Internacionais e consultora em Políticas Globais Jéssica Dondoni.

Agaves e Piteiras: Infestação no Litoral sul de Santa Catarina

Você já deve ter percebido a enorme quantidade de Piteiras ou Agaves, (Agavaceae Furcraea  foetida), nos morros em local des restinga e também jardins das casas. “Ela está na lista oficial de Espécies Exóticas Invasoras reconhecida pelo Conselho Estadual do Meio Ambiente (CONSEMA), que precisa ser erradicada”, explica Jéssica Dondoni. “Elas são originais do Caribe e uma vez introduzidas aqui, reproduzem-se descontroladamente, ameaçando habitats naturais, e causando impactos econômicos, sociais e ambientais”, completa.

Manejo e controle sustentáveis

Ainda que sejam invasoras, a retirada das Agaves ou de qualquer espécie não pode ser feita de qualquer forma. “Embora não sejam espécies nativas, elas exercem um determinado papel no ambiente em que se encontram. Por isso, é necessário que se faça o estudo e o manejo técnico das plantas, para evitar impactos negativos, como a erosão do solo, por exemplo”, explica a Engenheira Ambiental Glenda Fauth.  “As espécies também são muito parecidas. Existem mais de 200 agaves e nem todas estão na lista de ameaças. Por isso, o acompanhamento capacitado garante que a espécie correta seja retirada”, completa. A orientação geral é que não se plante, mesmo no quintal de casa, uma piteira sem a consulta a um profissional da área ambiental.

Palestra e Oficina de Aproveitamento

Compartilhando com a comunidade saberes como o do manejo e uso sustentável das Agaves, acontece, durante o Curso de Design Permacultural da Morada Ekoa, a palestra sobre Espécies Exóticas Invasores e a Oficina do Aproveitamento da Fibra.

“Na palestra serão apresentadas algumas das normativas que defendem e protegem o meio ambiente nacional e internacional, obrigando e orientando os Estados quanto ao controle, manejo e erradicação das espécies exóticas invasoras em seus territórios, sujeito a sanções”, adianta Jéssica.

“Na oficina, serão apresentadas diversas formas de aproveitamento de algumas espécies exóticas invasoras catalogadas na Lista Oficial de Santa Catarina e poderá desenvolver um projeto ou produto sustentável a partir da matéria prima extraída.

Serviço

O quê: palestra Espécies Exóticas Invasoras: ameaças e soluções para os 17 Objetivos da agenda 2030 das Nações Unidas  e oficina: Arte e Sustentabilidade no controle e erradicação das EEI da flora

Quem: Jéssica de Mello Dondoni, Analista e Consultora de Políticas Globais, Especialista na Agenda 2030 e seus 17 Objetivos do Desenvolvimento Sustentável, Bacharel em Relações Internacionais com ênfase em Meio Ambiente Internacional. Eco-educadora e Ministrante de Oficinas de Artes Plásticas há 20 anos atuando em comunidades da periferia. Gestora e Coordenadora do projeto Na Trilha das Invasoras e proprietária do Atelier do Agave.

Quando: Terça-feira, dia 25 de janeiro das, 14 às 17h.

Onde: Na Morada Ekoa (Barra de Ibiraquera), durante o Curso de Design Permacultural (PDC)

Quanto: Alunos do PDC Morada Ekoa – sem custo. Demais interessados: R$50 vagas limitadas mediante inscrições

Inscrições somente por Whatsapp: (48) 99150.6209

Por Glaucia Rosa Damazio
Redação Saberes

Compartilhe com Amor:

contatos

WHATSAPP

(48) 991 100 690

Grupo News

Link para Grupo

E-MAIL

contato@saberesdapraia.com

Suporte Saberes
Enviar